Abril 15 2007

Confronte 1ª parte

 

Concluímos nesta edição, a divulgação de mais alguns dados referentes ao Prof. Albino Simões, profissional da educação no Externato António Soares Barbosa (de que foi um dos fundadores) e na Escola Primária de Ansião e autarca deste Município, como seu Vereador, Vice-Presidente e Presidente ao longo de bastantes anos.

-----------------------------------------------------

Na sua qualidade de professor e autarca acarinhou as colectividades e instituições ansianenses e, de um modo muito particular, todo o progresso de Ansião na década de 1960. Foi também um grande entusiasta das Festas de Ansião que surgiram precisamente nessa década.

Recordamos hoje, a Homenagem que o povo de Ansião lhe fez na altura da sua recondução no cargo de Presidente da Câmara; o seu pedido de exoneração deste cargo; a visita do Ministro do Interior; a vinda do Ministro da Economia às nossas Festas; a primeira Visita de um Presidente da República a Ansião; e, a concluir, uma das muitas inaugurações de melhoramentos feitos durante a sua presidência.

O Professor Albino Simões faleceu no dia 7 de Novembro de 1979, com quase 70 anos de idade.

 

Na altura da sua recondução como Presidente

o povo homenageou-o

No dia 5 de Julho de 1964, um numeroso grupo de amigos promoveu uma grande homenagem ao Prof. Albino Simões que, entretanto, havia sido reconduzido no cargo.

O Mensageiro, de 9 de Julho de 1964, páginas 1 e 4, divulga a notícia: «Homenagem ao sr. Presidente da Câmara Municipal de Ansião / O concelho de Ansião provou quanto estima o Presidente da sua Câmara Municipal, associando-se à homenagem que um grupo de amigos lhe promoveu no passado dia 5 do corrente.

Boatos tinham corrido por todo o concelho de que não seria reconduzido no cargo, que tão proficientemente ocupava, há 4 anos, o sr. Professor Albino Simões.

Que não passavam de boatos provou-o a homenagem que a Autoridade Superior do Distrito e as pessoas da mais elevada posição social de todo o concelho lhe tributaram. Viu o sr. Prof. Simões quanto era estimado pelos alunos e seus pais e viu o sr. Presidente da Câmara como todo o concelho o apoia na sua obra de estar ou continuar no concelho a obra dos seus antecessores. Aguardado pelas Autoridades e pessoas da mais elevada categoria do concelho a cuja frente se encontrava o distinto funcionário que todo o concelho estima e admira pela sua competência e honestidade ex.mo sr. Dr. Faveiro, Director Geral das Contribuições e Impostos, chegou o sr. Governador Civil do Distrito, ex.mo sr. Olimpo Duarte Alves a Ansião. Na vila colgaduras nas janelas, flores, vivas, estralejar de foguetes, música. Na sessão solene viu o sr. Presidente da Câmara como era apreciada a obra de progresso que está realizando no concelho.

O sr. Governador Civil acompanhado por numerosa comitiva, na qual se incorporavam o arqueólogo e lente da Universidade de Coimbra, ex.mos srs. Dr. Arnaut, a quem a região dos concelhos de Ansião e Penela muito devem pelo que se tem escrito sobre o seu passado histórico e monumental, devassando os arquivos, lendo e descobrindo inscrições e documentos dos mais antigos da região, D. Fernando Pais, Conservador dos Monumentos Nacionais do Distrito e dr. Faveiro, a quem a  vila e todo o concelho de Ansião muito devem, visitaram em Constantina a vestuta capela de N.ª Sr.ª da Paz, em Ateanha, histórica povoação, pertença dos Crúzios, a Igreja, em São Tiago da Guarda a torre do antigo palácio dos Condes de Castelo Melhor. De tarde foram inaugurados edifícios escolares.

Foi pena que o reduzido tempo de que o Sr. Governador Civil e comitiva dispunham não permitisse visitar a Igreja Paroquial com suas antiquíssimas Imagens e inscrição mocárabe e a capela de S. Jorge em Torre de Vale de Todos, as ruínas dum antigo palácio, coevo dos árabes daquela região em Alvorge, os célebres montes de Germanelo, com os restos das edificações do município daquele nome e o irmão Martelo, com as suas tradições populares e lendas, Chão de Ourique, localidade mais que provável, onde se deve ter travado a célebre Batalha ou raid – como hoje se diria – entre as tropas de Afonso Henriques e as forças árabes e outros locais que documentos e tradições ligam às primeiras épocas da fundação de Portugal.

Durante o almoço o Sr. Prof. Simões e dr. Faveiro viram através das palavras que lhes foram dirigidas quanto são queridos em todo o concelho, palavras a que O Mensageiro se associa.»

Dois anos depois apresentava o seu pedido de exoneração

Algo surpreendentemente, em Julho de 1966, foi exonerado, a seu pedido, do cargo de Presidente da Câmara. O Mensageiro de Leiria, de 11.8.1966, divulgou a informação: «Pediu a exoneração do cargo de Presidente da Câmara de Ansião, lugar que exercia há 6 anos, o sr. Albino Simões, distinto professor naquela antiga vila, que deixou o seu nome ligado a vários melhoramentos não só na vila, como nas freguesias, nomeadamente a estradas e dotação de povoações com a luz eléctrica. Legionário, desde a primeira hora, o sr. Albino Simões, que ocupou o cargo por imposição do dever que todos temos de bem servir, o seu pedido de exoneração, que outros motivos não tem, além da direcção da sua casa agrícola, bastante prejudicada com a sua ausência, lho exigir, é sentida em todo o concelho, onde o distinto professor goza de simpatias e amizades».

            Também o Jornal “Serras de Ansião”, que surgiu durante o seu segundo mandato, trouxe a notícia da sua exoneração de Presidente da Câmara.

Edição n.º 20 do “Serras de Ansião”, de 10 de Agosto de 1966
«Professor Albino Simões / Foi recentemente exonerado, a seu pedido, do cargo de Presidente da Câmara Municipal do nosso concelho, o Professor Albino Simões que desde 1960 vinha ocupando e desempenhando proficientemente tão espinhoso quão incompreendido lugar.
A gerência do governo das autarquias locais foi sempre difícil. Difícil, pela proximidade dos interesses privados em que ela se situa, e pelo consequente risco que correm as deliberações de serem exteriormente apreciadas e vistas de um ângulo interessado e, portanto, sempre insusceptível de objectividade no seu julgamento. Difícil ainda, e muito especialmente, pela escassez dos meios de que dispõem as Câmaras dos concelhos rurais para acudir às necessidades colectivas, cada vez mais crescentes, da municipalidade.
(…) O Professor Albino Simões exerceu o seu mandato precisamente na época em que as referidas características mais se evidenciaram no nosso concelho. E já por isso seria, naturalmente, merecedor da gratidão e apreço de todos os munícipes. Mas a obra que deixa realizada é mais que suficiente para documentar a sua dedicação pelos interesses gerais que lhe foram confiados. Dedicação que não pode procurar-se unicamente na materialidade de realizações que nem sempre dependem, até, da vontade e dos esforços de quem procura levá-las a efeito; e que não pode medir-se, apenas, pelo valor material daquilo que se fez ou do que de gostaria de ver feito. Dedicação, sobretudo objectivada numa acção de defesa dos valores estruturais de unidade na procura de um justo equilíbrio entre os fins e os meios afectos à autoridade e ao poder administrativo do concelho.
Não pode o nosso jornal alhear-se da situação criada à administração concelhia pelo pedido de exoneração do seu Presidente num momento em que se procura uma total coordenação de esforços para que do entendimento e da boa vontade de todos resulte a valorização integral e equilibrada de toda a população das nossas Serras e a sua consequente integração nos movimentos de valorização nacional.
Ao Sr. Professor Albino Simões apresentamos, na sua despedida, os nossos cumprimentos e saudações».
Durante a sua presidência, Ansião conheceu franco progresso, em todos os domínios: passou a ter Colégio, Jornal, estabeleceu-se a CUF na vila, as suas colectividades ganharam nova dinâmica, a vila expandiu-se para novas artérias, foi visitada por membros do Govenro e houve grande número de melhoramentos ao nível de estradas e electrificação de lugares do concelho.
Na recordação de alguns destes eventos, evocamos, já de seguida, as visitas ministeriais e presidencial.

A Visita do Ministro do Interior a Ansião

 

            Em Ansião, o Ministro do Interior, Alfredo Rodrigues dos Santos Júnior, foi recebido em ambiente festivo, tendo presidido à sessão que decorreu no Salão Nobre da Câmara, e que contou com a presença de todos os Presidentes de Câmara do Distrito de Leiria. Depois do almoço seguiu para a freguesia de Chão de Couce, onde procedeu à inauguração da luz eléctrica nos chamados “Três Lugares”: Amieira, Cabecinho e Serra do Mouro.
            Os jornais, como de costume, fizeram desenvolvida reportagem do acontecimento. Seguimos O Mensageiro para nos relatar o que se passou em Ansião:
            O Mensageiro, de 15 de Agosto de 1963, escreve na página 3, a este propósito o seguinte: «(...) A visita do ex.mo sr. Ministro do Interior dr. Santos Júnior começou pelo concelho de Ansião, onde entrou e era aguardado no limite do Concelho de Soure e do Distrito de Coimbra, nos limites das Freguesias do Alvorge e de Degracias.
Aí aguardavam o ilustre Ministro os srs. Governador Civil do Distrito de Leiria, Deputados, dr. Faveiro, Director Geral das Contribuições e Impostos, Presidente da Junta Geral, Director das Estradas, Director da Urbanização, vários presidentes, mesmo todos os presidentes das Câmaras do Distrito de Leiria, todas as Autoridades do concelho de Ansião e acompanhando estas as pessoas de mais elevada categoria do concelho, nomeadamente das freguesias e vilas do Alvorge, Avelar, Chão de Couce e S. Tiago da Guarda.
Mais de 50 automóveis formaram longo cortejo, que pela poeirenta e em parte bem esburacada estrada, se dirigiu para Ansião.
À entrada da Vila, sobre a Ponte, aguardavam o cortejo a Corporação dos Bombeiros, a Filarmónica local e grande multidão organizando-se novo cortejo, que a pé, entre os acordes da música, vivas entusiásticos, palmas, flores, estralejar de foguetes e morteiros se dirigiu para os Paços do Concelho, com as ruas engalanadas.
Constituída a mesa da sessão de boas vindas, presidida pelo sr. dr. Santos Júnior, vendo-se na sala muitas senhoras da Vila e do Concelho, usou em primeiro lugar da palavra o sr. Presidente da Câmara de Ansião, prof. Albino Simões que saúda o Sr. Ministro do Interior e diz da honra que o concelho de Ansião sente em receber a sua visita, saúda o Chefe de Estado e o sr. Presidente do Conselho e o sr. Governador Civil, não sendo esta a primeira vez que esta autoridade visita o concelho de Ansião.
Terminados os seus cumprimentos em seu nome e de todo o concelho o sr. Presidente da Câmara passa a expor as maiores necessidades do Concelho e são: Águas! A vila e o concelho não têm suficiente abastecimento de água; é necessário concluir a estrada desde as Cavadas a Alvaiázere e Freixianda; há necessidade de novos edifícios escolares; é necessária a construção dum hospital regional, a reparação de estradas municipais e a construção de novas estradas.
O povo de Ansião é grato e sente bem o que lhe fazem. Por último refere-se ao momento que Portugal atravessa e diz como o concelho está presente em Angola, onde alguns dos seus filhos já verteram o seu sangue pela Pátria.
Seguiu-se o ilustre Ministro do Interior. Agradece a manifestação que lhe foi feita e as palavras que lhe foram dirigidas e diz como se sente bem junto do povo, que na hora presente sabe sentir o que se faz a Portugal e dá o exemplo do trabalho. Apela para a união de todos e a terminar diz: Vamos ao trabalho.
Apresentados cumprimentos seguiu-se uma sessão de trabalhos em que os dignos presidentes das Câmaras apresentaram assuntos de seus concelhos.
Terminada a sessão seguiu-se o almoço no final do qual foram erguidos alguns brindes, seguindo logo o ilustre Ministro, Governador Civil, Presidente da Câmara e outras individualidades para a freguesia de Chão de Couce (...)».
No Verão do ano seguinte, foi a vez da visita do Ministro da Economia, Luís Maria Teixeira Pinto.
 

A Visita do Ministro da Economia por ocasião das Festas de Agosto

            Em Agosto de 1964, quando, pelo terceiro ano consecutivo, se realizaram as Grandes Festas de Ansião, em benefício da sua Corporação de Bombeiros, fez parte do respectivo Programa, no seu dia mais importante – o dia 9 de Agosto - a “Sessão de Abertura” de um ciclo de estudos sobre o tema “As Serras de Ansião num plano de valorização regional”.
            Presidiu a essa Sessão, o Ministro da Economia, Luís Maria Teixeira Pinto. As duas conferências que, então, foram proferidas tiveram como autores, os Drs. Vítor Faveiro e Salvador Dias Arnaut. O primeiro, mestre em ciência fiscal, ilustre Director Geral das Contribuições e Impostos, natural de Ansião e acérrimo defensor da sua terra e das suas gentes, explicou a razão de ser deste ciclo de estudos, como ponto de partida para a valorização integral do homem das Serras de Ansião, dissertou sobre as características qualificativas desta sub-região e fez um esboço do plano para a efectiva valorização integral da sua população. O segundo, Professor de História da Universidade de Coimbra, e natural da região (Concelho de Penela), falou da História de Ansião. Ambas as conferências foram publicadas, primeiro no Jornal Serras de Ansião (em 1966), e, mais tarde, em opúsculos ou livros.
Da alargada reportagem que O Mensageiro, de 20 de Agosto de 1964, publicou sobre as Festas de Ansião, transcrevemos, apenas a parte que tem como subtítulo “A Recepção ao sr. Ministro”:
«Terminaram no dia 11, com um baile que durou toda a noite, as festas de Ansião, a favor da Corporação dos Bombeiros Voluntários.
Tiveram um êxito completo, sendo de salientar a recepção no dia 9 a sua Ex.ª o Ministro da Economia, no lugar do Pontão, onde era aguardado pelo sr. Governador Civil do Distrito, sr. Olímpio Duarte Alves, sr. presidente da Câmara Municipal professor Albino Simões, sr. Cónego Abílio Costa em representação de sua Ex.ª Rev.ma o sr. Bispo Conde de Coimbra, senhores Coronel Pascoal e dr. Bissaia Barreto, presidentes das Juntas Gerais dos Distritos de Leiria e Coimbra, dr. Moura Relvas, presidente da Câmara Municipal de Coimbra e todos os presidentes das Câmaras Municipais do Distrito de Leiria e de alguns concelhos vizinhos de outros distritos. Presentes também muitos directores distritais dos diversos serviços públicos e os oradores que inauguraram o ciclo de conferências de valorização da Região, srs. doutor Vítor Faveiro, a alma deste grande movimento de valorização regional e o sr. professor Salvador Dias Arnaut. Entre a assistência viam-se muitas distintas senhoras de quase todo o país».
Ainda em 1964, Ansião engalanou-se para receber o 1.º magistrado da Nação, o Almirante Américo Tomás. Esse seria o primeiro Presidente da República a visitar Ansião. Foi no dia 24 de Outubro de 1964.
O Almirante Américo Tomás é recebido nos Paços do Concelho de Ansião
            Após o almoço, o Chefe de Estado deixa Figueiró dos Vinhos (onde inaugurara uma aldeia reconstruída após um pavoroso incêndio), pela estrada para Ansião. No Pontão, uma primeira manifestação festiva saúda-o. A recepção na Vila de Ansião, vem descrita em O Mensageiro, de 29 de Outubro de 1964, página 2, do seguinte modo:
 
            «São 17,30 horas quando o cortejo chega ao Moinho das Moitas, bairro de Ansião.
            Cordas enfeitadas, bandeiras formam docel. No largo em frente do edifício aglomera-se grande multidão. No átrio dos Paços do Concelho vêem-se as Autoridades do Concelho e as principais pessoas de todas as freguesias.
            Saúda o Chefe de Estado o sr. Presidente da Câmara. Palmas, vivas, foguetes, música».
            No meio da “multidão” a que se refere o correspondente de O Mensageiro, estavam as crianças da Escola Primária, empunhando pequenas bandeiras de Portugal, e entre elas quem escreve estas linhas – com os meus 7 anos de idade, frequentava a 1.ª classe, do Professor Albino Simões, precisamente o Presidente da Câmara.
            Essa viagem presidencial, foi lembrada pelo Serras de Ansião (n.º 1, de 24.8.1978), no tempo em que se publicou, integrado nas duas últimas páginas de O Eco, de Pombal, e quando o velho Almirante teve autorização do regime democrático pós-25 de Abril de regressar do exílio.
            O autor do artigo, recorda um interessante momento dessa visita:
            «(...) O diálogo travado entre o Sr. Presidente e o Sr. Director-Geral dos Impostos e que foi o seguinte:
            Presidente – Então Sr. Director-Geral na sua terra não se pagam impostos?
            Director-Geral – Pelo contrário Sr. Presidente, pagam mais para dar o exemplo!»
 
 
No tempo da presidência do Prof. Albino Simões, a electricidade foi chegando a mais lugares do concelho: Tojeira (22.6.1960), Sarzedela e Lagoas (22.1.1961), Lisboinha e Pousaflores, Sobreira e Várzea, Santiago da Guarda (15.7.1962), Amieira, Cabecinho e Serra do Mouro (22.7.1963); e, entre outros, aos lugares de Casal de S. Brás, Casal das Sousas, Casal Viegas, Alqueidão, Constantina, Bate Água e Areosa (9.2.1964).
Uma vez concluídas as obras de electrificação, as respectivas inaugurações eram sempre motivo de festa, a que não faltava o elemento popular agradecido pelo importante melhoramento recebido, as autoridades locais (políticas e religiosas), e distritais, normalmente o Governador Civil.
Recordando a última inauguração da luz eléctrica
da presidência de Albino Simões
A última inauguração da luz eléctrica, do mandato presidencial do Professor Albino Simões, foi no dia 9 de Fevereiro de 1964, dia em que os lugares de Casal de S. Brás, Casal das Sousas e Casal Viegas (todos da freguesia de Ansião), Alqueidão (da freguesia de Chão de Couce), Constantina, Bate Água e Areosa (todos da freguesia de Ansião) passaram a usufruir da energia eléctrica. A festa, nesse dia, ocorreu em dois lugares distintos: primeiro, no Casal de S. Brás, a seguir, na Constantina, junto aos respectivos postos de transformação, que, depois de benzidos pelo Arcipreste de Ansião, iriam distribuir a “milagrosa” energia pelos novos utentes.

 

A festa da inauguração da energia eléctrica em diversos lugares da freguesia de Ansião terminou com discursos aqui – na Capela de Nossa Senhora da Paz da Constantina
 
O jornal de Figueiró dos Vinhos, O Norte do Distrito (de 25.2.1964, p. 4), trouxe a notícia, donde transcrevemos o excerto que se segue:
«(...) Estavam presentes o Governador Civil de Leiria, e o Sr. Coronel Pascoal, Presidente da Junta Distrital, que eram aguardados no lugar da Lapa, limite do concelho, pelo Presidente da Câmara, Sr. Albino Simões, e pelo Dr. Vítor Faveiro, Director-Geral das Contribuições e Impostos, além de numerosas outras individualidades, da melhor representação do concelho.
Seguiram em longa caravana de automóveis até ao dito lugar de Casal de S. Brás, onde Sua Ex.ª o Sr. Governador Civil cortou a fita simbólica da inauguração.
Usaram aqui da palavra o Sr. Presidente da Câmara e o Sr. Governador Civil, perante elevado número de pessoas, que aplaudiram, calorosamente, as palavras dos ilustres oradores.
Suas Ex.as seguiram na mesma longa caravana para o lugar da Constantina, onde também eram aguardados por grande multidão dos lugares limítrofes, a qual, conjuntamente com o rancho folclórico da Constantina, ovacionaram, entusiasticamente, a presença e o acto das autoridades administrativas.
No alpendre da Capela de Nossa Senhora da Paz, deste último lugar, discursaram em primeiro lugar o Sr. Aníbal Firmino, aqui residente, o qual num bem redigido trecho agradeceu em seu nome e no das populações beneficiadas o melhoramento acabado de inaugurar e há muito desejado. Em seguida, falou o Sr. Dr. Vítor Faveiro que, com o calor do seu profundo amor às terras da sua naturalidade e num fino recorte literário de bom português, falou das tradições cristãs que fazem a história das aldeias das “Serras de Ansião”.
Depois, o Sr. Presidente da Câmara de improviso e com palavras de quem sente por convicção e com arreigado amor a um ideal de perfeita justiça e de sãos princípios, agradeceu as presenças de Sua Ex.ª o Sr. Governador Civil e do Sr. Coronel Pascoal, os quais não se poupam a sacrifícios para estarem sempre presentes nas horas de alegria vividas pela gente humilde. Ao povo dirigiu palavras de regozijo e de louvor, pela maneira carinhosa e reconhecida como haviam recebido as entidades representativas da administração municipal e distrital.
Finalmente levantou-se o Sr. Governador Civil para se congratular com tudo o que acabava de presenciar, exortando o povo à unidade e à firmeza de princípios e convidando-os a darem pleno apoio à luta que Portugal sustenta na defesa do que legitimamente lhe pertence. Todos os oradores foram ardorosamente aplaudidos».
            Uma nota do Governador Civil do Distrito de Leiria, distribuída à imprensa na primeira quinzena de Julho de 1963, anunciou a visita do Ministro do Interior ao Concelho de Ansião: «No dia 20 do corrente mês de Julho realiza-se em Ansião, a XIII Reunião de Trabalhos do Governador Civil de Leiria com os Presidentes das Câmaras Municipais e outras Autoridades do Distrito, à qual se digna presidir Sua Ex.ª o Ministro do Interior».
publicado por ansiaonews às 15:52

A História Ilustre de Ansião pelo Dr. Manuel Augusto Dias
mais sobre mim
Abril 2007
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30


pesquisar